Carregando...

A adição de chamadas de áudio e vídeo do X criará aderência no aplicativo?

Elon Musk anunciado Quarta-feira que uma versão inicial do chamadas de vídeo e áudio agora está disponível no X, anteriormente conhecido como Twitter.

A mudança é mais um passo em direção ao objetivo de Musk de transformar o X em um “aplicativo para tudo” que pode lidar com tudo, desde pagamentos online até notícias e entrega de comida.

Nem todos os usuários podem acessá-lo ainda, e o X não forneceu um cronograma para a implementação generalizada desse recurso. A empresa também não confirmou o que o veterano da tecnologia Chris Messina encontrou no código do X – que as chamadas de áudio e vídeo estarão disponíveis apenas para assinantes.

Por TechCrunch artigo anterior:

Outras linhas de código referem-se a um aviso que aparece quando alguém tenta enviar um DM para outro usuário no aplicativo, explicando que “chamadas de áudio e vídeo são um recurso premium” e os incentiva a “se inscrever para obter acesso”. Isso significa que os usuários terão que pague por X Premium

Também não está claro como os usuários poderão realmente filtrar as chamadas. Para quem obteve acesso antecipado ao recurso, as opções para permitir chamadas incluem usuários verificados, pessoas que você segue e pessoas da sua agenda.

X não responde mais aos pedidos de comentários após a aquisição de Musk, apenas respondendo com uma mensagem automática às perguntas recebidas da imprensa, por isso não poderíamos pedir mais detalhes sobre por que X está introduzindo esse recurso e por que agora?

Claro, Musk não teve vergonha de querer transformar o X numa plataforma semelhante ao WeChat da China – uma aplicação de mensagens que se tornou um local central para todas as transações digitais, sejam elas compras, notícias ou comunicações. Mas a visão abrangente de Musk para o X sempre foi um aplicativo de serviços financeiros.

Na época em que Musk estava comprando o Twitter, o bilionário descreveu ao seu biógrafo Walter Isaacson o que ele achava que a plataforma poderia se tornar. “Se você combinar uma rede social com uma plataforma de pagamentos, poderá criar o que eu queria que o X.com fosse.”

Musk renomeado Twitter para X em julho, mas o X.com existe desde 1999, quando era um prelúdio do PayPal. Naquela época, Musk pensava que a X.com poderia ser uma loja completa para todas as necessidades financeiras, incluindo serviços bancários, compras digitais, cheques, cartões de crédito, investimentos e empréstimos.

As chamadas de vídeo e áudio não parecem necessariamente estar alinhadas com esse objetivo. Na verdade, a ideia de receber uma ligação em uma plataforma de mídia social quando você está lá apenas para consumir informações rapidamente é um pouco chocante para os sentimentos – ainda mais se a ligação vier de algum usuário X verificado aleatoriamente.

Tangencialmente, porém, Musk poderia estar pegando uma página do livro de anúncios ininterruptos de produtos da Uber e tentando criar aderência dentro do X. O Uber começou como um serviço de carona e depois passou para a entrega de comida. Agora a empresa expandiu esses pilares, oferecendo aos usuários a capacidade de alugar um barcodevolver os pacotes aos correios e fazer reservas para o jantar.

Também é semelhante a como Amazon jogou o jogousando seus outros produtos, como Alexa, para gerar receita secundária para o negócio principal sempre que um cliente diz: “Alexa, peça outra rodada de manteiga de amendoim”.

O que isso pode acontecer no X é que um usuário viria para postar merdas e espaços ao vivo, mas ele poderia ficar pela conveniência de chamadas telefônicas habilitadas para Internet, postagens longas e vídeos, e o conta poupança de alto rendimento. E como esses recursos provavelmente estarão disponíveis apenas para assinantes, a velha tática de jogar na parede e ver o que gruda pode se tornar um gerador de receita para X.

Ou talvez não.

Tudo depende de Musk ser capaz de cumprir os seus planos mais amplos a longo prazo. Não será apenas um problema técnico a resolver, mas os EUA não são a China. Os reguladores estão de olho nas empresas de tecnologia para garantir que nenhuma empresa possua grande parte da Internet.