Carregando...

com IOF menor, cartão é melhor forma para a conversão render?






Gastar em dólares no exterior ficou mais barato em 2024. Desde terça-feira (2), o imposto sobre operações financeiras (IOF) no crédito para a conversão da moeda estrangeira deixou de 5,38% foi para 4,38%.

Agora, as compras internacionais em cartão de crédito, seja para quem está em outro país ou para quem compra pela internet do Brasil, terão um imposto menor.

A medida também contempla transferências internacionais e saques no exterior por meio do cartão de crédito.

Evento

Onde Investir 2024

Conheça as Melhores Oportunidades para Lucrar e se Proteger em 2024

Desde o ano passado, o IOF vem diminuindo gradativamente em 1 ponto percentual a cada ano. O objetivo é que o imposto em operações internacionais seja extinto até 2028. Confira o cronograma:

  • 5,38% a partir de 2 de janeiro de 2023;
  • 4,38% a partir de 2 de janeiro de 2024;
  • 3,38% a partir de 2 de janeiro de 2025;
  • 2,38% a partir de 2 de janeiro de 2026;
  • 1,38% a partir de 2 de janeiro de 2027;
  • zero a partir de 2 de janeiro de 2028.

Até lá, o IOF se tornará melhor para as compras no crédito com o passar dos anos, mas ainda não será uma opção mais competitiva para a conversão do dólar. É possível adquirir a moeda com imposto de 1,1% em outras modalidades, que serve para quem viaja para fora ou investe no exterior também.

A escolha da melhor opção deve seguir a especificidade da compra de dólares.

Quem vai viajar para outro país e tem um prazo até lá pode se programar para conseguir as melhores taxas de câmbio e de serviço. Bruno Mori, planejador financeiro CFP pela Planejar, afirma que a melhor opção é fazer compras parciais de dólares, de três ou quatro lotes, para garantir um câmbio médio mais barato.

Já no caso de quem adquire a moeda para investir no exterior, as prioridades são diferentes, porque além da questão cambial, também é importante considerar o custo de oportunidade de investimento, o volume de aplicação e o prazo.

Entretanto, em ambos os casos, Há fatores comuns para considerar e conseguir um bom negócio no câmbio: IOF, taxas bancárias e taxas de câmbio.

IOF

Para comprar ou receber dólares há cobrança de IOF. Mas há diferenças nas alíquotas aplicadas de acordo com a operação.

  • Na compra de papel moeda, o IOF cobrado é de 1,1%;
  • As transferências de uma conta corrente local para contas em dólar de corretoras (como XP, Nomad e Wise) têm alíquota de 1,1% quando para o mesmo CPF e 0,38% para terceiros;
  • Nas compras, transferências e saques feitos com cartões de crédito ou pré-pagos ou IOF é de 4,38%.

A cobrança é feita à parte, sempre sobre o valor total que será convertido de reais para dólares, explica o advogado tributarista Joaquim Rolim Ferraz. Não é descontada o valor principal de conversão.

Taxa de câmbio

A taxa de câmbio é o preço do dólar. É importante entender que há duas variações que podem ser usadas na conversão: dólar comercial ou dólar turismo.

O dólar comercial é o valor negociado em Bolsa diariamente. Ele é usado como referência pelas corretoras digitais e também no cartão de crédito. Já o dólar turismo é o valor adotado pelas casas de câmbio e nos cartões pré-pagos.

A diferença entre eles é que o dólar turismo é o valor do dólar comercial acrescido de algumas taxas bancárias. Se o dólar comercial do dia estiver sendo negociado a R$ 4,90, o dólar turismo estará na faixa de R$ 5,05.

Taxas bancárias

Bancos e corretoras cobram uma taxa pela conversão de real para dólar. Essa taxa é chamada de espalhar e equivale ao ganho das instituições com a operação financeira. Casas de câmbio, bancos e corretoras têm essas taxas, mas algumas cobram menos do que outras.

De modo geral, os valores variam entre 1% e 3% e também são aplicados sobre o valor total a ser convertido.

Melhor opção

Mori afirma que pequenas variações entre todos esses fatores podem fazer muita diferença no resultado final. “Pode parecer uma diferença pequena de uma taxa para a outra, mas, no final, somando as revelações, é relevante”, diz.

O planejador considera que as corretoras têm taxas mais competitivas e o IOF mais baixo. Para ele, são boas opções para quem quer viajar (já que oferecem cartões de débito com saldo em dólar) e para quem quer investir (pois são plataformas de investimento também).

“O papel moeda e o cartão de crédito devem ser considerados opções de emergência, apenas, pois têm taxas bancárias e IOFs muito altos”, afirma.